Seminários Fazer Artesanal / Patrimônio Imaterial

O seminário vai criar um espaço de diálogo e reflexão sobre o artesanato e o patrimônio imaterial brasileiro no campo da educação, da arte, da comercialização, da criação contemporânea, da moda, da sustentabilidade e, especialmente, da salvaguarda de expressões culturais ligadas à identidade cultural brasileira. 

23.nov sexta

Mesa 1 
9h-10h50 (1h50)
Tema: Programas de apoio ao artesanato no Brasil

Mediação – Antônio Arantes
Presidente do Conselho Consultivo da Artesol, é Professor titular do Departamento de Antropologia da UNICAMP e Vice-presidente do Comitê Científico Internacional do Patrimônio Imaterial do ICOMOS. Ex-presidente da Associação Brasileira de Antropologia (ABA), do Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Campinas, do CONDEPHAAT (Estado de São Paulo) e do IPHAN. Publicou livros e artigos sobre cultura e política, com ênfase em questões relativas ao patrimônio e a dinâmica cultural. 

9h10-9O Programa Nacional de patrimônio imaterial e sua contribuição à salvaguarda do artesanato no Brasil- resultado nas comunidades
Hermano Fabrício Oliveira Guanais– Diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial do IPHAN (Instituo do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Advogado, professor universitário e mestre em Preservação do Patrimônio Cultural pelo IPHAN 

9h30 – 9h50 |O Programa do Artesanato Brasileiro  e suas contribuições à salvaguarda do artesanato no Brasil – resultados às comunidades
Ana Beatriz Ellery – Coordenadora do Programa de Artesanato Brasileiro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa que integra a estrutura do Ministério da Indústria, Comércio exterior e serviços ( MDIC) 

9h50- 10h10h |ONGS acreditadas pela UNESCO para apoiar a salvaguarda do patrimônio imaterial: a experiência do Museu Casa do Pontal. 
Ângela Mascelani – Antropólogo, pesquisadora de cultura e arte popular. Diretora do Museu Casa do Pontal.

 Mesa 2 | Roda de Conversa

11h – 12h40 (1h40) 
Tema: Ações de salvaguarda e seus resultados para as comunidades

 Mediação: Antônio Arantes 

 

 11h10 – 11h30 |A contribuição dos museus à promoção do artesanato – Experiência do Museu Homem do Nordeste/ Fundação Joaquim Nabuco

Frederico Faria Neves Almeida Graduado em Engenharia Civil pela UFPE, é especilista em Restauração de Monumentos e Sítios Históricos pela UFBA e Especialista em Tecnologia da Conserváção de Pedras – ICCROM/Unesco – Veneza/Itália. Mestre em Gestão Pública pela UFPE, foi superintendente do Iphan-PE de 2003 a 2015. Atualmente é Coordenador Geral do Museu do Homem do Nordeste – Fundação Joaquim Nabuco.

11h40 – 12h10 – Roda de conversa com os artesãos 
Maria José Souza – artesã, rendeira e presidente da Associação para o Desenvolvimento da Renda de  Divina Pastora
Valdeli Costa Alves  – artesão / Associação Arte Miriti de Abaetetuba –  Miritong
Kailu Yawalapiti – artesã  e presidente da Associação Yamurikumã das Mulheres Xinguanas

Mesa 3

14h30 – 16h (1h30)

Tema: Fortalecimento do artesanato com inclusão social dos artesãos
Mediador: Ricardo Gomes LimaDoutor em Antropologia, professor da UERJ/ Universidade Estadual  do Rio de Janeiro e pesquisador da artesanato e cultura popular.

14h40 – 15h |O tempo das mãos

Paula Dib  – Com olhar humanista e orientado para a ação, Paula Valoriza saberes endêmciso, resgata tradições culturais e prioriza matérias- primas naturais no desenvolvimento de produtos que aliam ética e estética de forma inovadora. O tripé design, sociedade e natureza tem sido a tônica do seu trabalho.

 
15h – 15h20 |Qualificação  do artesão para o empreendedorismo

Júlio Ledo – se define como o facilitador de trocas. Através de suas andanças pelo mundo promove o fortalecimento de grupos produtivos e o desenvolvimento  territorial sustentável,  através da valorização dos potenciais locais e do respeito aos desejos de cada povo e o tempo de cada lugar.

Mesa 4 | Roda de Conversa

16h10 – 18h (1h40)

Tema: Cultura, Educação e Conectividade
Mediação: Mariana de Mello e Souza  Doutorado em História Social, professora do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Membro do Núcleo de Apoio à Pesquisa Brasil-África da USP. Além de trabalhos sobre a África centro-ocidental, tem trabalhos na área de cultura popular e cultura afro-brasileira, especialmente ligada às festas e cultura material.

 

 16h25 – 16h45 | Projeto Novos para Nós
Renan Quevedo– publicitário e pesquisador de arte popular brasileira. Idealizador do projeto Novos Para Nós, viajou pelo Brasil por  seis meses  p visitando todas as regiões do país. Os resultados de suas expedições são compartilhadas pelo instagran do projeto onde Renan já narrou cerca de 300 histórias. 

 

16h45 – 17h05 |As experiências do Programa Educativo do Museu Homem do Nordeste
Edna  Silva – pedagoga, especialista em gestão educacional , mestre em gestão publica para o desenvolvimento do Nordeste. É analista em ciência, tecnologia e informação  da Fundação Joaquim Nabuco e Coordenadora das Ações Educativas do Museu Homem do Nordeste. 

17h05 – 17h25|Rede Nacional do Artesanato Cultural Brasileiro – REDE ARTESOL

Josiane Masson gestora de projetos e organizações culturais e sociais. Coordenadora geral da Artesol.

 

 

24.nov sábado

Mesa 5

9h - 10h30 ( 1h30)

Tema: O fazer artesanal na moda


Mediação: Carol Delgado

Antropóloga, compartilhadora e articuladora de tecnologias sociais e diálogos coletivos em busca de um mundo mais plural. Transita há mais de vinte anos pelas áreas de economia criativa, impacto social e projetos autorais que envolvem cultura e identidade, criando ferramentas e metodologias que permitam entregas autorais e de impacto.


9h15 – 9h35 | Experiência de Flávia Aranha

Flávia Aranha - Formada em moda pela Faculdade Santa Marcelina, teve vasta experiência no modelo convencional da área e em 2009 abriu seu primeiro ateliê-loja em São Paulo. Tendo o tingimento natural como cerne de sua marca homônima, a designer passa seu tempo entre experimentos, viagens e estudos, traduzindo todas as suas descobertas em cor, textura e forma.


9h35 – 9h50 | Experiência do Instituto -E

Nina Almeida Braga Graduada em Sociologia e Psicologia pela PUC-RJ e Mestre em Ciências pela Fiocruz, dirige o Instituto-E desde 2007, liderando diversos projetos dentre os quais se destaca o e –fabrics que pesquisa materiais e comunidades, como as que são supervisionadas pela Artesol.

9h50 - 10h20 –  Comentários do mediador e Troca de ideias com o público

Mesa 6

10h30 – 12h25 ( 1h50)

Tema: Tradição com Inovação


Mediação: Regina Galvão

Editora, curadora, jornalista de arquitetura, decoração e design. Por meio da Editora Olhares, realiza pesquisa e trabalhos relacionados à cultura brasileira, em especial nos campos da arte, história, fotografia, arquitetura e design.


10h40 – 11h A valorização do artesanato no contexto internacional

Adélia Borges dedica-se à difusão e reflexão a respeito do design do hemisfério sul, por meio de exposições, artigos, livros e palestras. É autora, entre outros, do livro Design + Artesanato: O Caminho Brasileiro. www.adeliaborges.com

11h – 11h20 O trabalho do designer com povos indígenas

Sergio Matos -  Designer mato grossense, que forjou uma imbricada afetividade com a terra nordestina, onde fez morada e endereço profissional.  O fio da cultura é a matéria-prima essencial de seu trabalho. A base sólida de suas criações finca os pés na regionalidade, na identidade que resiste ao tempo e preserva técnicas e saberes ancestrais. O feito à mão, com calor humano, estampa o selo da originalidade que marcam a sua trajetória – com  prêmios nacionais e internacionais que  colaboram para fortalecer a imagem do design brasileiro..

 

11h20 – 11h50 |Processos de cocriação  e a ação social do Instituto Campana

Humberto Campana - A dupla Humberto e Fernando Campana se consolidou como um dos principais nomes do design contemporâneo. Ao longo das últimas décadas, diversos foram seus projetos que se destacaram no cenário internacional, principalmente por trazer em sua concepção conceitos e perspectivas até então não explorados pelo mundo do design. Neste cenário, um dos principais diferenciais da dupla é a inspiração em técnicas ancestrais de artesanato de diferentes partes do Brasil e do mundo.


Waldick Jatobá Colecionador de design vintage, ao se tornar amigo de Humberto e Fernando campana passou a se interessar de fato pela produção contemporânea  Dessa convivência Waldick se tornou diretor do Instituto Campana e da observação do cenário brasileiro nesse segmento, criou a Made - Mercado Arte Design. 



Mesa 7

14h – 16h15 ( 2h15)

Tema: Artesanato e Mercado


Mediação: Márcio Waked

Empresário, professor universitário e diretor executivo da Bio Fair Trade que é uma empresa social de comércio justo, que tem como principal objetivo apoiar pequenos grupos de artesãos brasileiros no acesso aos mercados.


14h10- 14h30 | As potencialidades e desafios do mercado de artesanato na visão do SEBRAE

Maira Fontinelli – designer formada e mestranda na área pela UnB. Tem pós graduação em gestão pública e trabalha no SEBRAE NACIONAL com economia criativa a frente de projetos na temática. É coordenadora do Centro de Referencia do Artesanato (CRAB) e do Centro Nacional de Referencia em Empreendedorismo, Tecnologia e economia criativa - ambos do SEBRAE.


14h 30 - 14h 50 | O lojista de artesanato

Anny Darakijian – empresária do comercio de artesanato atuando em várias frentes desse segmento desde 2006. Formada em comunicação visual e artes plásticas pela FAAP, tem especialização em design de interiores e gestão de Varejo pela FGV- SP.   


14h 50  - 15h10 - o artesanato como negócio na visão do artesão

João Gomes da Silva – artesão e mestre dos trançados,  conhecido também como Juão de Fibra. Além de ser um exímio artesão, João ministra cursos em diferentes estados sempre com a preocupação de fortalezer a identidade das comunidades, repassando seus conhecimentos na técnica. É empreendedor do ramo artesanal trabalhando com marcas famosas. Tem sua história registrada no livro: Cerrado - cores e tramas  de Érika


15h 10 - 15h 30 - O trabalho das ONG no apoio à comercialização do artesanato

Sonia Quintella - Atuou como diretora de negócios da Alpargatas e geral do Grupo Gucci no Brasil e após uma sólida carreira no universo da moda, hoje se dedica inteiramente à
ONG ArteSol. Está em seu 2º mandado como presidente do Conselho Diretor da Artesol.  



inscreva-se no seminário

Fechar Menu